Parque do Ingá, Maringá, Paraná: análise da vegetação utilizando o Landsat 8 OLI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/2177-4560.v16n22022p198-215

Palavras-chave:

Vegetação, Floresta Estacional Semidecidual, Parque, Índices de vegetação

Resumo

Esse trabalho tem o objetivo de avaliar o Parque do Ingá, localizado em Maringá, Paraná, utilizando os índices: Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) e o Razão simples (RS) nos anos de 2020 e 2021. Nos procedimentos metodológicos é fornecido a fonte e datas das imagens do satélite Landsat 8 Sensor OLI, o pré-processamento das imagens, cálculos dos índices multiespectrais de vegetação, amostragem populacional, extração dos valores dos índices e programas utilizados. Nos resultados são abordados os valores de NDVI e RS, apresentado as variações no período analisado. Concluiu-se que os maiores valores de NDVI e RS ocorrem majoritariamente nas estações do verão e primavera, entretanto, os menores valores foram determinados nas estações do outono e inverno. 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Renan Valério Eduvirgem, Universidade Estadual de Maringá
    Mestre em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia da Universidade Estadual de Maringá. Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-graduação em Geografia (PGE-UEM).
  • Diogo Yukio Uema, Universidade Estadual de Maringá
    Mestre em Análise Ambiental pela Pós Graduação em Geografia (UEM). Doutorando em Geografia (UEM).
  • Paulo José Moraes Monteiro e Teixeira Germano, Faculdade de Engenharia e Inovação Técnico Profissional
    Doutorado em geografia pela Universidade Estadual de Maringá. Mestre em Engenharia Urbana pela Universidade Estadual de Maringá.  
  • Dalton Nasser Muhammad Zeidan, Universidade Estadual de Maringá
    Mestrado em Geografia (Geografia Física - Área Análise Ambiental) pela UEM. Doutorando em Geografia (Geografia Física) pela UEM.
  • André Jesus Periçato, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
    Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), campus Presidente Pudente, SP. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá.
  • Claudemir Rodrigues Soares, Universidade Estadual de Maringá
    Mestre em Geografia pelo programa de Pós-graduação (PGE-UEM).Doutorando em Geografia pelo Programa de Pós-graduação (PGE-UEM).

Referências

ASSAD, E. D.; SETZER, A.; MOREIRA, L. Estimativa de precipitação através dos índices de vegetação do satélite NOAA. Anais... Natal - RN. 1988. p. 425-429. Disponível em: http://marte.sid.inpe.br/col/dpi.inpe.br/marte@80/2008/07.24.17.27/doc/425-429.pdf. Acesso em: 02 mai 2022.

ALVES, G. B. M.; LOVERDE-OLIVEIRA, S. M. Uso do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) para Análise da Distribuição e Vigor da Vegetação no Pantanal Norte. Geografia (Londrina), v. 29, n. 1, p. 175-190, 2020.

CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: princípios e aplicações. (Ed.) Porto Alegre: Editora Artmed, 2008. 255 p.

CHÁVEZ JR, P. S. An improved dark-object subtraction technique for atmospheric scattering correction of multispectral data. Remote Sensing of Environment, v. 24, p. 459-479, 1998.

DIAS, I. M. Relação entre índices de vegetação e precipitação pluvial no estado de Sergipe. 2017. 131 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

EDUVIRGEM, R. V.; PERIÇATO, A. J.; SANCHES, C. C.; SOARES, C. R.; CARAMINAM, L. M.; SANTOS, M. V. Análise da temperatura aparente de superfície e Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI) em Lisboa, Portugal, no verão de 2017. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 5, n. 10, p. 587-597, 2018.

FIGUEIRÓ, A. Biogeografia: dinâmicas e transformações da natureza. São Paulo: Oficina de Textos, 2015. 384 p.

GAMEIRO, S.; TEIXEIRA, C. P. B.; SILVA NETO, T. A.; LOPES, M. F. L.; DUARTE, C. R.; SOUTO, M. V. S.; ZIMBACK. C. R. L. Avaliação da cobertura vegetal por meio de índices de vegetação (NDVI, SAVI e IAF) na Sub-Bacia Hidrográfica do Baixo Jaguaribe, CE. Terrae, v. 13, n. 1-2, p. 15-22, 2016.

GARCIA, L. M.; ROMAGNOLO, M. B.; SOUZA, L. A. Flora vascular de um remanescente de Floresta Estacional Semidecidual, no município de Maringá, Paraná, Brasil. Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, v. 10, p. 501-532, 2017.

GERMANO, P. J. M. M. T.; DE ANGELIS, B. D.; SAMPAIO, A. C. F. Avaliação da cobertura vegetal do Horto Florestal Dr. Luiz Teixeira Mendes, em Maringá–Paraná, por meio do Índice de Vegetação Razão Simples. Geoingá, v. 9, n. 2, p. 115-135, 2017.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/maringa/panorama. Acesso em: 20 abr 2022.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro, 1992. 92p. (Série manuais técnicos em geociências, n. 1).

JENSEN, J. R. Sensoriamento remoto do ambiente: uma perspectiva em recursos terrestres. Trad: EPIPHANIO, José Carlos Neves (Coo) et al. São José dos Campos –SP: Parêntese, 2011.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, v.1, n.1, p. 125-139, 2005.

MAGALHÃES, I. A. L.; XAVIER, A. C.; SANTOS, A. R. Caracterização da dinâmica espectro temporal florestal e da cana-de-açúcar no município de Itapemirim, ES. Geosul, v. 28, n. 56, p. 183-210, 2013.

MARINGÁ. Prefeitura do Município de Maringá. Plano de Manejo do Parque do Ingá. Maringá, Paraná: Secretaria do Meio Ambiente, 1994.

MARINGÁ. Prefeitura do Município de Maringá. Secretaria do Meio Ambiente. Revisão do Plano de Manejo do Parque do Ingá. Maringá, PR: PMM, 2007.

MARÓSTICA, L. M. F.; MERENDA, E. A.; MARÓSTICA, F. B.; BUOGO, R.; MACIEL, L. F.; DE ANGELIS NETO, G.; DE ANGELIS, B. L. D. Estudo do manejo das erosões em uma unidade de conservação urbana: Parque do Ingá, Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Technology, v. 25, n. 1, p. 97-102, 2003.

MIOT, H. A. Avaliação da normalidade dos dados em estudos clínicos e experimentais. Jornal Vascular Brasileiro, v. 16, n. 2, p. 88-91, 2017.

NAVI, A. C. O. N. Estudo de espécies arbóreas ameaçadas de extinção no Parque do Ingá, Maringá – PR. 2016. 157 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

NIGRO, G. T. Avaliação da recomposição vegetal dos fragmentos florestais urbanos na bacia do Córrego Cleópatra/Moscados, Maringá-PR. Caminhos de Geografia, v. 23, n. 86, p. 282-297, 2022.

PINEDA-LÓPEZ, R.; RUBIO, A. M.; ACOSTA, I. A.; ORRANTI, J. A. O. Detección de aves exóticas en parques urbanos del centro de México. Huitzil, v.14, n.1, p. 56-67, 2013.

ROSEMBACK, G. R. Análise da dinâmica da cobertura vegetal na região Sul do Brasil a partir de dados Modis-Terra. 2007. 82 f. Dissertação (Mestrado em Sensoriamento Remoto) – Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, 2007.

ROUSE, J. W.; HAAS, R. H.; SCHELL, J. A.; DEERING, D. W. Monitoring vegetation systems in the great plains with Erts. In: Earth Resources Technology Satellite-1 Symposium, Washington. Anais… Washington, D.C: NASA/Goddart Space Flight Center. 1, 309-317, 1973.

TERASSI, P. M. B.; OLIVEIRA-JÚNIOR, J. F.; GÓIS, G.; GALVANI, E. Variabilidade do Índice de Precipitação Padronizada na Região Norte do Estado do Paraná Associada aos Eventos de El Niño-Oscilação Sul. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 33, p. 11-25, 2018.

SILVA, I. A. B.; GAZOLA, S. Estatística Aplicada à Biologia. Maringá: Editora da Universidade Estadual de Maringá, 2011. 106 p.

WILSON, J. S.; CLAY, M.; MARTIN, E.; STUCKEY, D.; VEDDER-RISCH, K. Evaluating environmental influences of zoning in urban ecosystems with remote sensing. Remote Sensing of Environment, v. 86, p. 303-321, 2003.

ZAMORA, E. C.; POMBO, E. S.; BRASSART, C. S.; MORENCOS, I. Z. Metodología para el estudio de los parques urbanos: la comunidad de Madrid. GeoFocus, n. 3, p. 160-185, 2003.

ZANZARINI, F. V.; PISSARRA, T. C. T.; BRANDÃO, F. J. C.; TEIXEIRA, D. D. B. Correlação espacial do índice de vegetação (NDVI) de imagem Landsat/ETM+ com atributos do solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 6, p. 608-614, 2013.

Downloads

Publicado

31-12-2022

Como Citar

Parque do Ingá, Maringá, Paraná: análise da vegetação utilizando o Landsat 8 OLI. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 198–215, 2022. DOI: 10.19180/2177-4560.v16n22022p198-215. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/boletim/article/view/17503.. Acesso em: 21 jun. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)