Avaliação dos parâmetros físico-químicos e da eficiência operacional de estações de tratamento de esgoto na região das Baixadas Litorâneas, RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/2177-4560.v16n12022p89-111

Palavras-chave:

Saneamento básico, Esgotos domésticos, Estações de tratamento de esgotos, Baixadas Litorâneas

Resumo

O desenvolvimento da região das Baixadas Litorâneas do Rio de Janeiro, e consequentemente de seu potencial turístico, dependem de uma rede de tratamento de esgotos ampla e eficaz. O presente estudo objetivou a avaliação dos parâmetros físico-químicos e das eficiências de remoção da Demanda Bioquímica de Oxigênio e dos Sólidos Suspensos Totais de sete estações de tratamento em operação na região. Os parâmetros monitorados no estudo foram determinados pelo Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater (SMEWW). Dentre as estações analisadas, a estação de tratamento de esgoto de Armação dos Búzios foi a que apresentou melhor desempenho, pois atingiu as metas de acordo com a legislação em cinco dos oito parâmetros analisados. As estações de tratamento de esgotos de menor desempenho foram Praia do Siqueira e São Pedro da Aldeia, pois ficaram em conformidade com a legislação em somente três dos oito parâmetros estudados. Espera-se que esses resultados sirvam de base para adoção de melhorias contínuas nos processos de tratamento de esgotos nas estações analisadas.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Alexandre Mioth Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
    Mestre em Engenharia Ambiental pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense). Servidor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ) Campus Arraial do Cabo - RJ - Brasil.
  • Tiago Gomes Barroso Carvalho, Instituto Federal Fluminense
    Professor no Instituto Federal Fluminense. Doutorado em Engenharia Civil UENF/NYU - EUA . Mestrado em Engenharia Ambiental - Universidade do Minho - Portugal.  

Referências

AGENERSA. AGÊNCIA REGULADORA DE ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Histórico da concessão. Disponível em: http://www.agenersa.rj.gov.br/index.php? option=com_content&view=article&id=73:histor-concessao&catid=83:prolagos&Itemid=81. Acesso em: 24 jan. 2020.

AISSE, M. M. Sistemas Econômicos de Tratamento de Esgotos Sanitários. Rio de Janeiro: ABES, 2000.

AMIGO, N. A. Propriedade das normas de lançamento de esgoto. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Instituto Oswaldo Cruz, 1998.

BAIRD, R. B.; EATON, A. D.; RICE, E. W. (Orgs.). Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. Whashington/DC: American Public Health Association (APHA), American Water Works Association (AWWA), and Water Environment Federation (WEF), 2017. 1496 p.

BRAGA, B.; HESPANHOL, I.; CONEJO, J. G. L.; MIERZWA, J. C.; BARROS, M. T. L.; VERAS-JÚNIOR, M. S.; PORTO, M. F. A.; NUCCI, N.; JULIANO, N.; EIGER, S. Introdução à Engenharia Ambiental – O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.

BRASIL. REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código de Águas.

BRASIL, REPÚBLICA FEDERATIVA DO. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

BRASIL, REPÚBLICA FEDERATIVA DO. Lei nº 11.445, de 5 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências.

CAMPOS, A. B.; FELIZATTO, M. R.; KALATALO, A. N.; RODRIGUES, L. C.; PEREIRA, S. C. Interferência das águas pluviais na estação de tratamento de esgotos Melchior. In: 25° CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 25., 2009, Recife. Anais [...]. Recife, PE: ABES, 2009.

CEPERJ. CENTRO ESTADUAL DE ESTATÍSTICAS, PESQUISAS E FORMAÇÃO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Regiões do Estado do Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.ceperj.rj.gov.br/Conteudo.asp?ident=81. Acesso em: 10 set. 2020.

CERSKI, E. R.; PROCHNOW, T. R.; CARRILLO, D. P. Integração dos dados de monitoramento das estações de tratamento de esgoto do órgão ambiental estadual com a estimativa de abatimento de carga poluente no Plano de Bacia do Rio Gravataí – RS. In: XX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS. 20., 2013, Bento Gonçalves. Anais [...]. Bento Gonçalves, RS: ABRH, 2013.

CONAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução n° 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências.

CONAMA. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução nº 430, de 13 de maio de 2011. Dispõe sobre as condições e padrões de lançamento de efluentes, complementa e altera a Resolução n° 357, de 17 de março de 2005, do Conselho Nacional do Meio Ambiente/CONAMA.

CORDI, L; ASSALIN, M. R.; DIEZ, M. C.; DURAN, N. Montagem, partida e operação de um sistema de lodos ativados para o tratamento de efluentes: parâmetros físico-químicos e biológicos. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 5, n. 1, p. 097-115, jan/abr. 2008.

DACACH, N. G. Tratamento Primário de Esgotos. Rio de Janeiro: Editora Didática e Científica Ltda., 1991.

FEEMA. FUNDAÇÃO DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Diretriz DZ-215.R-4 – Diretriz de controle de carga orgânica biodegradável em efluentes líquidos de origem sanitária. Aprovada pela Deliberação CECA n° 4886, de 25 de setembro de 2007. Republicada no DOERJ de 08 de novembro de 2007.

FEEMA. FUNDAÇÃO DE ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE. Norma Técnica NT-202.R-10 – Critérios e padrões de lançamento de efluentes líquidos. Aprovada pela Deliberação CECA nº 1007, de 04 de dezembro de 1986. Publicada no DOERJ de 12 de dezembro de 1986.

FIGUEIREDO, I. C. Avaliação de desempenho do processo CEPT (Chemically Enhanced Primary Treatment) no tratamento primário de esgotos domésticos. Tese de Doutorado (Doutorado em Engenharia Civil) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2009.

GRASSELLI, R. Avaliação da eficiência do sistema de tratamento da ETE Dal Bó. In: 26º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 26., 2011, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre, RS: ABES, 2011.

HERMES, E.; ORSSATTO, F.; VILAS-BOAS, M. A.; GOMES, S. D. Correlação entre DBO e DQO em esgotos domésticos para o município de Cascavel, Paraná. In: 25° CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 25., 2009, Recife. Anais [...]. Recife, PE: ABES, 2009.

IDE, C. N.; LASTORIA, G.; GONDA, J.; RONDON, M. A. C.; POLIZER, M. Avaliação do sistema de tratamento de esgoto e implicações na qualidade da água superficial em Bonito – MS. In: 19° CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 19., 1997, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu, PR: ABES, 1997.

JORDÃO, E. P.; PESSOA, C. A. Tratamento de Esgotos Domésticos. Concepções Clássicas. São Paulo: CETESB, 1975.

KICH, M.; BOCKEL, W. J. Análise de óleos e graxas em efluentes por espectrofotometria. Estação Científica, Macapá, v. 7, n. 3, p. 61-69, set./dez. 2017.

LIMA, D. R. S.; LODIS, A. M.; ALMEIDA, I. L. A.; ARANTES, M. M. K. PAULA, V. I. Avaliação da eficiência da estação de tratamento de esgoto (ETE) do município de Valinhos/SP. In: V SIMPÓSIO CIENTÍFICO DE GESTÃO AMBIENTAL, 5.,2016, Piracicaba. Anais [...]. Piracicaba, SP: ESALQ, 2016.

LIMA, J. I. V.; COSTA, W. Avaliação da eficiência das várias fases de um sistema de tratamento de efluentes. TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p. 22-27, jan./jun. 2011.

MELLO, M. F. Privatização do setor de saneamento no Brasil: quatro experiências e muitas lições. Economia Aplicada, v. 9, n. 3, pp. 495-517, 2005.

MELO, H. N. S.; MELO, J. J. S.; NETO, C. O. A.; GUIMARÃES, A. K. V. Avaliação estatística da determinação do teor de óleos e graxas em efluente doméstico. In: VI SIMPÓSIO ÍTALO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 6., 2002, Vitória. Anais [...]. Vitória, ES: ABES, 2002.

MORAES, L. R. S.; BORJA, P. C. Revisitando o conceito de saneamento básico no Brasil e em Portugal. Revista do Instituto Politécnico da Bahia, n. 20-E, ano 7, p. 5-11, 2014.

OLIVEIRA, S. M. A. C.; VON SPERLING, M. Avaliação comparativa de seis tecnologias de tratamento de esgoto, em termos de atendimento a padrões de lançamento para DBO. In: 23º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 23., 2005, Campo Grande. Anais [...]. Campo Grande, MS: ABES, 2005a.

OLIVEIRA, S. M. A. C.; VON SPERLING, M. Avaliação de 166 ETES em operação no país, compreendendo diversas tecnologias. Parte 2 - Influência de fatores de projeto e operação. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 10, n. 4, p. 358-368, out./dez. 2005b.

OLIVEIRA, S. M. A. C.; VON SPERLING, M. Análise da confiabilidade de estações de tratamento de esgotos. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 12, n. 4, p. 389-398, out./dez. 2007.

ORSSATTO, F.; HERMES, H.; VILAS-BOAS, M. A. Eficiência de remoção de óleos e graxas de uma estação de tratamento de esgoto sanitário, Cascavel – Paraná. Engenharia Ambiental, Espírito Santo do Pinhal, v. 7, n. 4, p. 249-256, out./dez. 2010.

PAIVA, M. A.; BRACARENSE, D. C.; SOUSA, W. S. V. Avaliação do impacto da água de chuva na vazão afluente em uma estação de tratamento de esgoto da cidade de Palmas (TO). In: 29° CONGRESSO NACIONAL DE SANEAMENTO E MEIO AMBIENTE, 29., 2018, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: AESABESP, 2018.

PEREIRA, L. F. M. A gestão participativa no caso do saneamento da Região dos Lagos, Rio de Janeiro. Revista Discente Expressões Geográficas, Florianópolis, n. 03, p. 10-41, 2007.

PINTO, R. M. F. M.; CASSEMIRO, R. F.; VAZ, A. J.; CARDOSO, S. P. C. A região da Baixada Litorânea do Rio de Janeiro: interações entre o turismo e urbanização. Espaço & Geografia, v. 14, n. 2, p. 191-223, 2011.

PIRES, D. P.; SILVA, F. H. B. T.; MONTEIRO, C. A. B. Avaliação da eficiência da estação de tratamento de esgoto ETE Alegria em Teresina/PI. In: 2° CONGRESSO TÉCNICO CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA – CONTECC’ 2015. 2., 2015, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza, CE: CREA, 2015.

PIVELI, R. P.; KATO, M. T. Qualidade das águas e poluição: aspectos físico-químicos. 1ª ed. São Paulo: ABES, 2006, cap. 13.

PRODERJ. CENTRO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Divisão regional, segundo as mesorregiões, microrregiões geográficas e municípios do Estado do Rio de Janeiro – 2019. Disponível em: arquivos.proderj.rj.gov.br/sefaz_ceperj_imagens/Arquivos_Ceperj/ceep/informacoes-do-territorio/cartografia-fluminense/MesoeMicrorregioesGeograficas%20-%20RJ%20-%202018%20-%20IBGE.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

REDA, A. L.L.; MELLO, G. S. L.; UEHARA, D. M. Iniciação científica mudando a visão no saneamento ambiental: entendendo o impacto das chuvas intensas no esgoto do ABC Paulista. In: XXXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE ENSINO DE ENGENHARIA. 30., 2005, Campina Grande. Anais [...]. Campina Grande, PB: ABENGE, 2005.

RIBEIRO, M. A. Tipologia das atividades turísticas: o exemplo do Estado do Rio de Janeiro. Geo UERJ/Revista do Departamento de Geografia da UERJ, Rio de Janeiro, n. 13, p. 27-37, 1° sem. 2003.

RIBEIRO, V. O.; PEIXOTO, M. S. Avaliação da contribuição pluvial parasitária no sistema de esgotamento sanitário afluente à ETE Guaxinim, Dourados/MS. Revista de Engenharia e Tecnologia, v. 10, n. 3, p. 144-155, dez. 2018.

ROCHA, K. M.; SALAMONI, S. P.; SANTOS, R. H.; GOLDBACH, A. Monitoramento e avaliação de parâmetros físico-químicos e microbiológicos de uma estação de tratamento de efluentes com sistema de lodos ativados em uma agroindústria no meio oeste de Santa Catarina. Revista de Engenharia Civil IMED, v. 3, n. 1, p. 25-36, jan./jun. 2016.

ROSA, A. P.; BOECHAT, M.; OLIVEIRA, S. M. A. C. Águas pluviais na rede de esgoto sanitário – influência na vazão tratada e no desempenho de estações de tratamento de esgoto na região metropolitana de Belo Horizonte. In: 26º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 26., 2011, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre, RS: ABES, 2011.

SANCHEZ, O. A. A privatização do saneamento. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 1, p. 89-101, 2001.

SILVA, J. S. P.; BRANDÃO, I. W. S.; COSTA, T. A. N.; OLIVEIRA, J. N. C.; SILVA, D. R. B. Determinação da incerteza de medição no ensaio de sólidos sedimentáveis em amostras ambientais. In: VIII SIMPÓSIO DE ESTUDOS E PESQUISA EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS NA AMAZÔNIA, 8., Belém. Anais [..]. Belém, PA: UEPA, 2019.

SILVA, L. G.; OLIVEIRA, L.; GAVAZZA, S.; FLORENCIO, L.; KATO, M. T. Avaliação das concentrações de LAS em uma estação de tratamento anaeróbio de esgoto e no corpo receptor. In: 25º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 25., Recife. Anais [...]. Recife, PE: ABES, 2009.

SILVA, M. C. A.; MONTEGGIA, L. O.; CATANEO, I. Avaliação da qualidade microbiológica de efluentes sanitários tratados por sistemas de lodos ativados. Caderno pedagógico, Lajeado, v. 14, n. 1, p. 257-266, 2017.

SILVA, M. F. B.; NASCIMENTO, A. M.; COSTA, J. S. M.; SILVA, V. L.; MOTTA, M. Avaliação do tratamento de ETE Caçote através de estudo em unidade piloto. In: 23º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL. 23., 2005, Campo Grande. Anais [...]. Campo Grande, MS: ABES, 2005.

SILVA, S. V.; PEREIRA, R. A.; PIVELI, R. P.; CRISCUOLO, H. J. Monitoramento das características dos esgotos como instrumento de otimização do processo de lodos ativados e suas implicações. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 2, p. 46-59, dez. 2005.

SNIS. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Diagnóstico de Serviços de Água e Esgoto. Ministério do Desenvolvimento Regional. Secretaria Nacional de Saneamento, 2018. 186 p.

SOUZA, K. M.; SALAMONI, S. P.; SANTOS, R. H.; GOLDBACH, A. Monitoramento e avaliação de parâmetros físico-químicos e microbiológicos de uma estação de tratamento de efluentes com sistema de lodos ativados em uma agroindústria no meio oeste de Santa Catarina. Revista de Engenharia Civil IMED, v. 3, n. 1, p. 25-36, jan./jun. 2016.

TREVISAN, A. B.; GODKE, M. M.; ARENHART, C. A. Caracterização dos efluentes das estações de tratamento de esgotos sanitários de Santa Catarina. In: XVII SIMPÓSIO LUSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL. 17., 2016, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis, SC: ABES, 2016.

UCKER, F. E.; FOLETTO, C. V.; WOLFF, D. B. Sistema de tratamento de esgoto para o município de Restinga Seca – RS. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 11, n. 1, p. 37-49, 2010.

VERÓL, A. P.; VOLSCHAN-JÚNIOR, I. Inventário e análise de padrões de lançamento de esgotos sanitários: visão nacional e internacional. In: XVII SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HÍDRICOS. 17., 2007, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, SP: ABHIDRO, 2007.

VON SPERLING, M. Análise dos padrões brasileiros de qualidade de corpos d’água e de lançamento de efluentes líquidos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 3, n. 1, p. 111-132, jan./mar. 1998.

VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das águas e ao tratamento de esgotos. Minas Gerais: Editora da UFMG, 2005.

Downloads

Publicado

30-12-2022

Como Citar

Avaliação dos parâmetros físico-químicos e da eficiência operacional de estações de tratamento de esgoto na região das Baixadas Litorâneas, RJ. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 89–111, 2022. DOI: 10.19180/2177-4560.v16n12022p89-111. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/boletim/article/view/15918.. Acesso em: 25 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)