Experimentar as mudanças ambientais com atores múltiplos e ativar um olhar crítico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v23n12021p284-298

Palavras-chave:

Experiências, Mudanças ambientais, Populações locais

Resumo

Nossa reflexão sobre mudanças ambientais analisa a ação de coletivos de arte em espaços alternativos em que sujeitos são atingidos por inundações derivadas de rios com barragens hidráulicas e por contaminação de ecossistemas terrestres e aquáticos por rejeitos oriundos de rompimento de barragem de minério. Mais além de afetar as atividades socioeconômicas (a pesca em particular), impactam a vida dos sujeitos como um todo. Situações de risco em relação à saúde, às enchentes, a desastres serão tratadas com uma abordagem transversal de experiências que cruzam antropologia, arte e desenvolvimento dos territórios. Vamos contemplar, por isso, duas intervenções: uma brasileira e outra europeia, que implicam artistas, antropólogos e urbanistas. Nosso questionamento deveria permitir uma nova grade de leitura dos desafios pelo desenvolvimento harmonioso dos territórios que irá trabalhar junto com os sujeitos (moradores/pescadores da Vila de Regência/ES, afetados pela intoxicação do rio Doce, no exemplo brasileiro, e os moradores de uma cidade média francesa, na beira do rio Loire, submetidos ao risco de enchente e participando de um plano de prevenção de risco). Nos dois casos, a participação de um coletivo de artistas permite um debate original e rico com as populações locais.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Caterine Reginensi, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
    Doutora em Sociologia pela Université de Paris VIII (1986). Professora titular no LEEA/CCH da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) – Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: creginensi@gmail.com.  

Referências

ARAB, N.; OZDIRLIK, B.; VIVANT, E. Expérimenter l’intervention artistique en urbanisme. Rennes: Presses Universitaires, 2016.

AUBRY, A.; BLEIN, A.; VIVANT, E. The promotion of creative industries as a tool for urban planning. International Journal of Cultural Policy, v. 21, n. 2, p. 121-138, 2015.

BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008.

BLANC, N.; CHARTIER, D. Les développements durables de l’Amazonie. In: BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008. p. 169-190.

BLANC, N.; LOLIVE, J. Vers une esthétique environnementale: le tournant pragmatiste. Natures Sciences Sociétés, v. 17, p. 285-292, 2009.

BUROWOY, M. Revisits. An outline of a theory of reflexive ethnography. American sociological review, v. 68, p. 645-679, 2003.

CERNEA, M. M. Penser les risques sociaux du développement. In: BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008. p. 57-76.

COLETIVO LÍQUIDA AÇÃO. Foz Afora: Residência artística no Rio Doce. Apoio Itaú Cultural, 2017.

CREADO, E. S. J. et al. Modos de olhar, contar e viver. In: MILANEZ, B.; LOSEKAN, C. Desastre no Vale do rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, 2016.

DALMASSO, A. Ingénieurs et habitants autour des barrages alpins. In: BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008. p. 141-156.

DEWEY, J. Art as Experience. Trad. fr.: Oeuvres philosophiques. III. L’Art comme expérience. New York: Berkley Publishing Group; Tours, Farrago/Pau: Publications de l’Université de Pau, 2005.

FAURE, A. Écouter les voix de la Vallée: les riverains de la Dordogne. In : BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008. p. 101-124.

IBGE. Cidades. 2021. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/es/linhares/panorama. Acesso em: 6 fev. 2021.

LITTLE, P. E. Abundance is not Enough: Water-related Conflicts in the Amazon River Bassin. Brasília: Universidade de Brasília, 2003. 23p. (Série Antropologia).

LITTLE, P. E. Ecologia política como etnografia: um guia teórico e metodológico. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 12, n. 25, p. 85-103, jan./jun. 2006.

MARCUS, G. E. Multi-sited ethnography: Five or six things I know about it now. In: MARCUS, G. E. Multi-sited ethnography: problems and possibilities in Translocation of research Methods. Oxford: Routledge, 2011. p. 16-34.

OKAMURA, C.; LOLIVE, J. Construir e experimentar métodos participativos para desenvolver uma cultura de risco em São Paulo. Territorium, n. 22, p. 55-64, 2015.

RANCIÈRE, J. Le partage du sensible: Esthétique et politique. Paris: éditions La Fabrique, 2000.

RANCIÈRE, J. Le spectateur émancipé. Paris: La Fabrique, 2008.

REIS, R. L. P. R. Caboclo Bernardo: história e cultura na Barra do Rio Doce. Linhares, ES: Unilhares, 2003.

SANTOS, B. de S. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

WATEAU, F. Reproduire un village à l’identique: Alqueva. In: BLANC, N.; BONIN, S. Grands barrages et habitants. Paris: Maison des Sciences de l’Homme et Editions Quae, 2008. p. 77-100.

Publicado

30-04-2021

Edição

Seção

Dossiê Temático: "Riscos e Desastres Socioambientais"

Como Citar

REGINENSI, Caterine. Experimentar as mudanças ambientais com atores múltiplos e ativar um olhar crítico . Revista Vértices, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 284–298, 2021. DOI: 10.19180/1809-2667.v23n12021p284-298. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/15879.. Acesso em: 20 jun. 2024.