A estética decolonial no ativismo de coletivos teresinenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v25n12023.17309

Palavras-chave:

ação coletiva, coletivos, decolonialidade, transgressões estéticas

Resumo

Neste trabalho analisamos como a expressão estética de coletivos e coletivas da cidade de Teresina (Piauí) relaciona-se com o argumento decolonial, sobretudo a partir da produção dos/as intelectuais da Rede Modernidade-Colonialidade. Uma pesquisa de campo qualitativa foi realizada com formações coletivas teresinenses, a partir da apreensão de entrevistas com seus integrantes, em sessões de grupos focais; e da seleção de postagens em suas mídias sociais Facebook e Instagram. Os dados foram interpretados pelo método de Análise do Discurso Crítica, na vertente dialético-relacional faircloughiana. Os resultados evidenciaram que esses grupos representam uma importante face do ativismo contemporâneo, ao evocarem sensações e processos de percepção que dialogam com a diversidade. Nesse sentido, concluímos que o uso de vestimentas, artefatos e corporeidades/performances oferecem visibilidade a grupos socialmente excluídos pela lógica colonial-moderna, despertando sensações e percepções outras sobre a padronização e universalização de modos de ser e viver.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Kary Emanuelle Reis Coimbra, Universidade Federal do Piauí, Teresina/PI
    Doutora em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Docente no Curso de Graduação em Administração da Universidade Federal do Piauí (UFPI) RJ – Teresina/PI – Brasil. E-mail: karycoimbra@ufpi.edu.br.

Referências

AIRES, A. B. De gorda a plus size: a produção biopolítica do corpo nas culturas do consumo – entre Brasil e EUA. 2019. 230 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Práticas de Consumo) - Escola Superior de Propaganda e Marketing, ESPM, São Paulo, 2019. Disponível em: https://tede2.espm.br/handle/tede/381. Acesso em: 12 abr. 2023.

ALBUQUERQUE, F. A atitude dos coletivos. Revista Porto Arte, Porto Alegre, v. 14, n. 24, p. 75-82, maio 2008. DOI: https://doi.org/10.22456/2179-8001.27937. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/PortoArte/article/view/27937. Acesso em: 12 abr. 2023.

BALLESTRIN, L. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p. 89-117, maio/ago. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-33522013000200004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/DxkN3kQ3XdYYPbwwXH55jhv/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2023.

BEDORE, R. C.; BECCARI, M. N. Aisthesis: uma breve introdução à estética dos afetos. Revista GEARTE, Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 487-498, set./dez. 2017. DOI: https://doi.org/10.22456/2357-9854.74040. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/gearte/article/view/74040. Acesso em: 12 abr. 2023.

BRINGEL, B. Ativismo transnacional, o estudo dos movimentos sociais e as novas geografias pós-coloniais. Estudos de Sociologia, Rev. do Progr. de Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, v. 16, n. 2, p. 185-215, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revsocio/article/view/235294. Acesso em: 12 abr. 2023.

CARVALHO, P. D. Há lugar para movimentos sociais na teoria decolonial? In: CONGRESO LATINOAMERICANO DE CIENCIA POLÍTICA, 8., 2015, Lima. Anais […]. ALACIP: Lima, 2015.

CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (ed.). El giro decolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

COIMBRA, K. E. R.; MORAIS, M. D. C. Coletivismo juvenil em Teresina: desenhando um panorama a partir das mídias sociais Instagram e Facebook. Simbiótica, Vitória, v. 7, n. 3, p. 161-195, jul./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.47456/simbitica.v7i3.33699. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/simbiotica/article/view/33699. Acesso em: 12 abr. 2023.

COLLING, A. M.; ACOM, A. C. Corpo feminino, corpo político: de fustigado a devorador do instituído. Revista Prâksis, Novo Hamburgo, ano 16, n. 2, p. 128-147, maio/ago. 2019. Disponível em: https://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistapraksis/article/view/1855. Acesso em: 12 abr. 2023.

DAUER, G. R. Os estudos decoloniais e as teorias dos movimentos sociais: repensar e denunciar o eurocentrismo epistemológico das ações coletivas na América Latina. Contextualizaciones Latinoamericanas, v. 11, n. 22, jan./jun. 2020. Disponível em: http://contexlatin.cucsh.udg.mx/index.php/CL/article/view/7402. Acesso em: 12 abr. 2023.

DUSSEL, E. Historia de la filosofía latinoamericana y filosofía de la liberación. Bogotá: Nueva América, 1994.

DUSSEL, E. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação. Trad. Sandra Tarbaucco Valenzuela. São Paulo: Paulinas, 1997.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 2. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2016.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FERREIRA, E. O Bumba-Meu-Boi do Piauí: poesia afro-brasileira, cantigas, gênese, memórias e narrativas de fundação do Boi de Né Preto de Floriano Piauí. Vozes, Pretérito & Devir, v. 6, n. 1, p. 92-106, 2016. Disponível em: https://revistavozes.uespi.br/ojs/index.php/revistavozes/article/view/128. Acesso em: 12 abr. 2023.

FIORIN, J. L. Língua, discurso e política. Alea Estudos Neolatinos, v. 11, n. 1, p. 148-165, jan./jun. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-106X2009000100012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/alea/a/djMj5DwcxCY7wXK3nzPTwhf/?lang=pt#. Acesso em: 12 abr. 2023.

FLÓREZ-FLÓREZ, J. Aportes postcoloniales (latinoamericanos) al estudio de los movimientos sociales. Tabula Rasa, Bogotá, n. 3, p. 73-96, jan./dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.25058/20112742.229. Disponível em: http://www.revistatabularasa.org/numero03/aportes-postcoloniales-latinoamericanos-al-estudio-de-los-movimientos-sociales/. Acesso em: 12 abr. 2023.

FLÓREZ-FLÓREZ, J. Lectura no eurocéntrica de los movimientos sociales latinoamericanos. Las claves analíticas del proyecto modernidad/colonialidad. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (comp.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 3. ed. São Paulo: edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GOHN, M. G. Mulheres – atrizes dos movimentos sociais: relações político-culturais e debate teórico no processo democrático. Política & Sociedade, v. 6, n. 11, p. 41-70, out. 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/politica/article/view/1255. Acesso em: 12 abr. 2023.

GONZÁLEZ, L. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização de Flávia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GROSFOGUEL, R.; ONESKO, G. A complexa relação entre modernidade e capitalismo: uma visão descolonial. Revista X, v. 16, n. 1, p. 6-23, 2021. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rvx.v16i1.78186. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/78186. Acesso em: 12 abr. 2023.

HORI, P. Os coletivos urbanos da cidade de São Paulo: ações e reações. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL, 27., 2017, São Paulo. Anais […]. São Paulo: ENANPUR, 2017.

KOROL, C. La formación política de los movimientos populares latinoamericanos. OSAL, Ano VIII, n. 22, p. 227-240, set. 2007. Disponível em: https://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal22/EMS22Korol.pdf. Acesso em: 12 abr. 2023.

LABRYS: um símbolo maior de afirmação do feminino. Revista Labrys, 14 fev. 2019. Disponível em: https://medium.com/@labrysrevista/o-que-%C3%A9-labrys-94e6fe6a4fe9. Acesso em: 16 abr. 2021.

LIMA, J. G. Memórias afetivas de Teresina: tensões entre tradição e modernidade no processo de modernização da cidade (1970-2000). 2016. 358 f. Tese (Doutorado em História) - Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/17408. Acesso em: 12 abr. 2023.

LUGONES, M. Colonialidade e gênero. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo decolonial. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

MAGALHÃES, I.; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. M. Análise de discurso crítica. Um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora UNB, 2017. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523013370

MALDONADO-TORRES, N. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (comp.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores, 2007.

MIGNOLO, W. D. Aiesthesis decolonial. Calle 14 Revista de Investigación en el campo del arte, v. 4, n. 4, p. 10-25, jan./jun. 2010a. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/c14/article/view/1224. Acesso em: 12 abr. 2023.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, e329402, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 12 abr. 2023.

MIGNOLO, W. D. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del Signo, 2010b.

MIGNOLO, W. D. La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa, 2007.

MOTA NETO, J. C. Por uma pedagogia decolonial na América Latina: Reflexões em torno do pensamento de Paulo Freire e Orlando Fals Borda. Curitiba: CRV, 2016.

OLIVEIRA, L. M. B. Corpos indisciplinados: Ação cultural em tempos de biopolítica. 2006. 225 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/001582056. Acesso em: 12 abr. 2023.

PASTI, R.; OLIVEIRA JR., G. B. Qual quilombo? O pensamento pós-colonial e decolonial na reelaboração simbólica dos quilombos. Revista de História da UEG, Porangatu, v. 8, n. 1, e-811908, jan./jun. 2019. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/revistahistoria/article/view/8533. Acesso em: 12 abr. 2023.

PEDRAZANI, V. No “miolo” da festa: um estudo sobre o bumba-meu-boi do Piauí. 2010. 222 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

PEREZ, O. C. Surgimento e atuação dos Coletivos que discutem clivagens sociais. In: ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS, 3., 2017, Vitória. Anais […]. Vitória: UFES, 2017.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

QUIJANO, A. Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/ descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

QUIJANO, A.; WALLERSTEIN, I. Americanity as a concept, or the Americas in the modern world-system. International Social Science Journal, Paris: UNESCO, n. 134, p. 549-557, nov. 1992.

RANGEL, N. F. A. O ativismo gordo em campo: política, identidade e construção de significados. 2018. 207 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/205904. Acesso em: 12 abr. 2023.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. C. V. S. Análise de discurso crítica, do modelo tridimensional à articulação entre práticas: implicações teórico-metodológicas. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 5, n.1, p. 185-207, jul./dez. 2004. Disponível em: https://portaldeperiodicos.animaeducacao.com.br/index.php/Linguagem_Discurso/article/view/307. Acesso em: 12 abr. 2023.

RODRIGUES, A. C.; BRANDÃO, L. L. A colonização da aesthesis. In: SEMINÁRIO DO ICHS, 2014. Anais […]. Cuiabá: UFMT, 2014. Tema: Humanidades em Contexto: saberes e interpretações, p. 675-682. Disponível em: https://eventosacademicos.ufmt.br/index.php/seminarioichs/seminarioichs2014/paper/view/1619. Acesso em: 12 abr. 2023.

ROSAS, R. Notas sobre o coletivismo artístico no Brasil. Rua, Campinas, v. 12, n. 1, p. 27-35, 2006. DOI: 10.20396/rua.v12i1.8640786. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8640786. Acesso em: 12 abr. 2023.

SCHERER-WARREN, I. Redes emancipatórias: nas lutas contra a exclusão e por direitos humanos. 2. ed. Curitiba: Appris, 2018.

SILVA, Â. M. N. B. Planejamento e fundação da primeira cidade no Brasil Império. Cadernos Proarq, v. 18, n. 18, p. 216-236, jul. 2012. Disponível em: https://cadernos.proarq.fau.ufrj.br/public/docs/Proarq18_Planejamento_AngelaSilva.pdf. Acesso em: 12 abr. 2023.

TLOSTANOVA, M. V. La aesthesis trans-moderna em la zona fronteriza eurasiática y el anti-sublime decolonial. Calle 14 Revista de Investigación en el campo del arte, v. 5, n. 6, p. 10-31, jan./jun. 2011. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/c14/article/view/2905. Acesso em: 12 abr. 2023.

VERGUEIRO, V. Pensando a cisgeneridade como crítica decolonial. In: MESSEDER, S.; CASTRO, M. G.; MOUTINHO, L. (org.). Enlaçando sexualidades: uma tessitura interdisciplinar no reino das sexualidades e das relações de gênero [online]. Salvador: EDUFBA, 2016. Disponível em: https://books.scielo.org/id/mg3c9/14. Acesso em: 12 abr. 2023.

VERGUEIRO, V. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2015. 244 f. Dissertação (Mestrado em Cultura e Sociedade) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/19685. Acesso em: 12 abr. 2023.

WALSH, C. Introducción. Lo pedagógico y lo decolonial: Entretejiendo caminos. In: WALSH, C. (ed.) Pedagogías decoloniales: Prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Ecuador: Editora Abya-Yala: Ecuador, 2017. (Serie Pensamiento Decolonial, Tomo I).

Publicado

19-04-2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

COIMBRA, Kary Emanuelle Reis. A estética decolonial no ativismo de coletivos teresinenses. Revista Vértices, [S. l.], v. 25, n. 1, p. e25117309, 2023. DOI: 10.19180/1809-2667.v25n12023.17309. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/17309.. Acesso em: 20 jun. 2024.