O “mundo offshore” como um campo: trabalho e dominação a bordo de plataformas da Bacia de Campos

Autores

  • Rodinele Ribeiro de Sousa Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

DOI:

https://doi.org/10.5935/1809-2667.20130037

Palavras-chave:

Trabalho offshore, Petrobrás, Bacia de Campos, Terceirização, Identidades

Resumo

O presente trabalho problematizando uma dominação simbólica exercida pelos empregados da Petrobrás sobre os trabalhadores terceirizados a bordo das Unidades Marítimas de Produção de óleo e gás instaladas na Bacia de Campos. Vislumbra-se a legitimação desse fenômeno mediante consenso em torno de uma ideologia construída e reproduzida pelo discurso corporativo da Petrobrás. Embora com raízes na história das dificuldades efetivamente enfrentadas para tornar a Bacia de Campos um locus de afirmação simbólica da empresa, tal ideologia – caracterizada como “triunfalista” – é o que acalenta as aspirações de muitos trabalhadores a ingressarem no “mundo offshore”, assim reforçando-a.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rodinele Ribeiro de Sousa, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
    Graduação em Psicologia (Universidade Estácio de Sá, campus Campos dos Goytacazes. Mestrando em Sociologia Política. Centro de Ciências do Homem - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro /UENF – Campos dos Goytacazes/RJ - Brasil. E-mail: rodinele@yahoo.com.br.

Referências

AGÊNCIA PETROBRÁS. Disponível em: <http://www.agenciapetrobras.com.br/sobre.asp/>. Acesso em 30 ago. 2012.

ALMEIDA, C.; ORDOÑEZ, R. Fiscais veem perigo de acidente em plataforma da Petrobras e ANP fará inspeção. O Globo, Rio de Janeiro, 09 ago. 2010. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/08/09/fiscais-veem-perigo-de-acidente-em-plataforma-dapetrobras-anp-fara-inspecao-917362186.asp>. Acesso em: 7 jul. 2011.

ALVEAL CONTRERAS, E. C. Os desbravadores: a Petrobrás e a construção do Brasil industrial. Rio de Janeiro: Relume-Dumará / ANPOCS, 1994.

ARAÚJO, A. J. S. Paradoxos da modernização: terceirização e segurança dos trabalhadores em uma refinaria de petróleo. 2001. 381f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2001.

BECKER, H. S. Uma teoria da ação coletiva. Trad. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

BOSCO, F. Uma nova ordem mundial. Petro & Química. São Paulo, n. 252, set. 2003b. Disponível em: <http://www.petroquimica.com.br/edicoes/ed_252/ed_252d.html>. Acesso em 19 jun. 2012.

BOURDIEU, P. Introdução a uma sociologia reflexiva. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009a, p. 17-58.

BOURDIEU, P. Sobre o poder simbólico. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009b, p. 9-16.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 10 ed. Trad. Maria Helena Kühner. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011a.

BOURDIEU, P. Le mortsaisitlevif: as relações entre a história reificada e a história incorporada. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009c, p. 75-106.

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Trad. Daniela Kern; Guilherme J. F. Teixeira. 2. ed. São Paulo: EDUSP; Porto Alegre: Zouk, 2011b.

BOURDIEU, P. O senso prático. Trad. Maria Ferreira. Petrópolis: Vozes, 2009d.

BOURDIEU, P. A gênese dos conceitos de habitus e de campo. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 12. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009e. p. 59-73.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Trad. Maria Lúcia Machado. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência. Trad. Denice Barbara Catani. São Paulo: UNESP, 2004.

BOURDIEU, P. É possível um ato desinteressado? In: BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. 11 ed. Trad. Mariza Corrêa. Campinas: Papirus, 2011c. p. 137-156.

BOURDIEU, P. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 5 ed. Trad. Reynaldo Bairão. Petrópolis: Vozes, 2012.

BRAGA, R. A nostalgia do fordismo: modernização e crise na teoria da sociedade salarial. São Paulo: Xamã, 2003.

BURGER, L. Alemã SAP registra forte alta em vendas de software. O Estado de São Paulo, São Paulo, 12 jul. 2012. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticia_imp.php?req=geral,alema-sap-registra-forte-alta-em-vendas-de-software,899320,0.htm>. Acesso em: 12 jul. 2012.

CARDOSO, A. M. A década neoliberal e a crise dos sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2003.

CHESNAIS, F. A ‘nova economia’: uma conjuntura própria à potência econômica estadunidense. In: CHESNAIS, F. et al. Uma nova fase do capitalismo? São Paulo: Xamã, 2003, p. 43-70.

CIAMPA, A. C. Identidade. In: LANE, S. T. M.; CODO, W. (Org.). Psicologia social: o homem em movimento. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986, p. 58-75.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998.

CRUZ, J. L. V. Emprego, crescimento e desenvolvimento econômico: notas sobre um caso regional. Boletim Técnico do SENAC, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, jan.-abr. 2003. Disponível em: <http://www.senac.br/BTS/291/boltec291c.htm>. Acesso em 25 set. 2012.

DIAS, J. L. M.; QUAGLINO, M. A. A questão do petróleo no Brasil: uma história da Petrobrás. Rio de Janeiro: CPDOC, FGV / SERINST, Petrobrás, 1993.

DRUCK, M. G. Terceirização: (des)fordizando a fábrica. Salvador: EDUFBA; São Paulo: Boitempo, 1999.

DUARTE, L. F. D. Classificação e valor na reflexão sobre identidade social. In: CARDOSO, R. C. L. (Org.). A aventura antropológica: teoria e pesquisa. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997, p. 69-92.

DUMÉNIL, G.; LÉVY, D. Superação da crise, ameaças de crises e novo capitalismo. In: CHESNAIS, F. et al. Uma nova fase do capitalismo? São Paulo: Xamã, 2003. p. 15-41.

DUTRA, L. E. D. Por uma história alternativa do petróleo. In: FREITAS, M. A. V.; DUTRA, L. E. D. (Org.). Pesquisas recentes em energia, meio ambiente e tecnologia. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, 1996, p. 91-114.

FERREIRA, L. L.; IGUTI, A. M. O trabalho dos petroleiros: perigoso, complexo, contínuo, coletivo. São Paulo: Scritta, 1996.

FIGUEIREDO, M. et al. Reestruturação produtiva, terceirização e relações de trabalho na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos (RJ). Gestão & Produção, São Carlos: UFSCar, v. 14, n. 1, p. 55-68, jan. abr. 2007.

FRANSOO, J. C.; RUTTEN, W. G. M. M. A typology of production control situations in process industries. International Journal of Operations & Production Management, v. 14, n. 12, p. 47-57, jan. 1994.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Márcia de Mello Leite Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOMES, D. B. M. Que trabalhador sou eu? Os trabalhadores terceirizados offshore do setor de manutenção da Bacia de Campos. 2002. 137f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

JESUS, R. G. Implantação de sistemas ERP: tecnologia e pessoas no projeto GarotoSAP. 2004. 140f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2004.

KRACAUER, S. O grupo como portador de ideias. In: KRACAUER, S. O ornamento da massa: ensaios. Trad. Carlos Eduardo Jordão Machado, Marlene Holzhausen. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 163-190.

LIMA, C. Entrevista: Surgente, uma história de luta e resistência. Surgente, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1042, p. 4, 25-31 ago. 2005.

LEITE, R. M. S. C. Bandeirantes do mar: a identidade dos trabalhadores das plataformas de petróleo. Niterói: Intertexto, 2009.

LUCENA, C. A. Tempos de destruição: educação, trabalho e indústria do petróleo no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2004.

MARQUES, P. Lançado o móvel antiinflamável. Folha de São Paulo, São Paulo, 03 set. 1982. Caderno Economia, p. 18. Disponível em: <http://acervo.folha.com.br/ fsp/1982/09/03/2//4201719>. Acesso em: 17 set. 2012.

OLIVEIRA, R. C. Identidade e estrutura social. In: OLIVEIRA, R. C. (Dir.) Anuário antropológico / 78. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1980, p. 243-263.

O SETOR PETRÓLEO E A PETROBRÁS NO GOVERNO LULA, 2002, Rio de Janeiro. Relatório final do Seminário Nacional da Federação Única dos Petroleiros. Rio de Janeiro: FUP, 2002.

P-34 ADERNOU por causa de falha no painel de controle. Agência Brasil. Brasília, 28 nov. 2002. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2002-11-28/p-34adernou-por-causa-de-falha-no-painel-de-controle-0>. Acesso em 1 jul. 2011.

PESSANHA, R. M. O trabalho offshore: inovação tecnológica, organização do trabalho e qualificação do operador de produção na Bacia de Campos. 1994. 168f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1994.

PIMENTEL, N. C. P. Educação técnica e região: um estudo do CEFET Campos. 2003. 132f. Dissertação (Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades) – Universidade Cândido Mendes, Campos dos Goytacazes, 2003.

PIQUET, R. Impactos de um setor de alta tecnologia em uma região brasileira: o norte fluminense na era do petróleo. In: COLÓQUIO SOBRE TRANSFORMACIONES TERRITORIALES, 5., 2004, La Plata. Nuevas visiones em el inicio del siglo XXI. Disponível em: <http://www.royaltiesdopetroleo.ucam-campos.br/>. Acesso em: 11 jan. 2012.

ROMÃO, F. L. A greve do fim do mundo: petroleiros 1995, a expressão fenomênica da crise fordista no Brasil. 524 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

SALES, V. L. F. Trabalho e reconhecimento: o caso dos profissionais offshore da indústria do petróleo na bacia de campos. 2009. 91 f. Dissertação (Mestrado em Políticas Sociais) – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, Campos dos Goytacazes, 2009.

SANTOS, R. M. N. Petrobras em la política exterior del gobierno Lula: uma mirada desde la economía política internacional. 2009. 241 f. Dissertação (Mestrado em Relaciones e Negociaciones Internacionales) – Facultad Latinoamericana de Ciências Sociales, Buenos Aires, 2010.

SCALETSKY, E. C. O patrão e o petroleiro: um passeio pela história do trabalho na Petrobrás. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

TEIXEIRA, F. L. C. Difusão da tecnologia de base microeletrônica na indústria de processo contínuo. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 32, n. 5, nov.dez. 1992, p. 16-26.

TODOS SOMOS PETROLEIROS. Nascente, Macaé, n. 746, 10 mai. 2012.

UNITED STATES OF AMERICA. Public Law 107-204, July 30th 2002. An act to protect investors by improving accuracy and reliability of corporate disclosures made pursuant to the securities laws, and for others purposes. Weekly Compilation of Presidential Documents, v.38, July 30, 2002. Presidential remarks and statement, Washington DC. Disponível em: <http://www.sec.gov/about/laws/soa2002.pdf>. Acesso em 4 dez. 2011.

VELHO, G. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

Downloads

Publicado

27-12-2013

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

SOUSA, Rodinele Ribeiro de. O “mundo offshore” como um campo: trabalho e dominação a bordo de plataformas da Bacia de Campos. Revista Vértices, [S. l.], v. 15, n. 3, p. 181–202, 2013. DOI: 10.5935/1809-2667.20130037. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/1809-2667.20130037.. Acesso em: 15 jul. 2024.