Verde que vira marrom, reputação que vira lama: extrativismo mineral, desastres e as imagens do “invisível”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v23n12021p213-233

Palavras-chave:

Mineração, Corporações, Invisibilidade dos riscos, Imagens dos desastres, Crítica

Resumo

As corporações mineradoras investem significativos recursos financeiros e humanos em propaganda e campanhas publicitárias veiculadas na televisão, na imprensa escrita e nas redes sociais. Com isto buscam não só propagar suas "boas" ações sociais e ambientais, como também divulgar a crença na mineração como uma atividade econômica sustentável e sem riscos. No artigo nos perguntamos pela força política que as imagens (fotografias, vídeos, memes etc.), veiculadas publicamente após os desastres provocados pela ruptura de barragens de rejeitos da mineração – como os ocorridos no Brasil em 2015 e 2019, têm para "sujar a reputação" de corporações mineradoras como, por exemplo, a Vale. Para responder essas questões recorremos ao conceito de políticas da invisibilidade e ao de potencial político das catástrofes formulados por Ulrich Beck. Concluímos que os grupos e movimentos críticos da mineração têm um papel fundamental no estabelecimento dos nexos causais entre o que aconteceu (o “presente” das imagens) e os processos sociais, econômicos e políticos (o “passado” das imagens) que antecederam aos desastres e os explicam.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Gabriela Scotto, Universidade Federal Fluminense (UFF), Campos dos Goytacazes/RJ
    Doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social Museu Nacional | UFRJ (PPGAS/MN/UFRJ). Professora associada do Departamento de Ciências Sociais do Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional da UFF (Campos dos Goytacazes) e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento regional, ambiente e políticas públicas (PPGDAP/UFF) – Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: gabriela.scotto@gmail.com

Referências

ACSELRAD, H. Políticas territoriais, empresas e comunidades. Rio de Janeiro: Garamond, 2018.

AIAAV. Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale. Dossiê dos impactos e violações da Vale no mundo. 2010. Versão preliminar. Disponível em: https://atingidospelavale.files.wordpress.com/2010/04/dossie_versaoweb.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

AIAAV. Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale. Nota da Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale S.A.: 1 mês do Desastre Socioambiental de Mariana. 2015. Disponível em: https://medium.com/@pacsinstituto/mariana-n%C3%A3o-foi-acidente-525e772996bc#.ofqjk04b9. Acesso em: 12 jun. 2020.

AIAAV. Articulação Internacional dos Atingidos e Atingidas pela Vale. Acionistas críticos: os 10 anos de atuação da articulação internacional dos atingidos e atingidas pela Vale. 2020. Disponível em: https://atingidospelavale.files.wordpress.com/2020/04/relatorio_acionistas_criticos_completo.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020.

BECK, U. Sociedade de risco: ruma a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011.

BECK, U. A metamorfose do mundo: Novos conceitos para uma nova realidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2018. Edição do Kindle.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 295-316.

COSTA, B. Vale sabia de problemas na barragem e omitiu os riscos em documento público. Jornal The Intercept Brasil, 28 jan. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/01/28/vale-sabia-problemas-barragem-brumadinho/. Acesso em: 10 mar. 2020.

D´ELIA, A. O Amigo do Rei. Brasil: [s.n.], 2019. Filme documentário ficção, 142`.

DENEAULT, A. As empresas multinacionais. Um novo poder soberano inscrito na ordem das coisas. In: ACSELRAD, H (org.). Políticas territoriais, empresas e comunidades. Rio de Janeiro: Garamond, 2018. p. 13–32.

FELIPPE, M. F. et al. Minas de lama: relatório da expedição geográfica no vale do rio Paraopeba. Juiz de Fora, MG: UFJF, 2020.

GRUZINSKI, S. A guerra das imagens: de Cristóvão Colombo a Blade Runner (1492-2019). São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

JOY, M. Porque amamos cachorros, comemos porcos e vestimos vacas: uma introdução ao carnismo: o sistema de crenças que nos faz comer alguns animais e outros não. São Paulo: Cultrix, 2014. Edição Kindle.

KIRSCH, S. Mining Capitalism: The Relationship between Corporations and Their Critics. Oakland, California: University of California Press, 2014.

LAPORTA, T. 1 ano de Brumadinho: Vale recupera valor, mas ainda carrega estigma da tragédia. InvestNews, 24 jan. 2020. Disponível em: https://investnews.com.br/negocios/1-ano-de-brumadinho-vale-recupera-valor-mas-ainda-carrega-estigma-da-tragedia/. Acesso em: 15 mar. 2020.

MELO, L.; GERBELLI, L. G. Vale tem perda bilionária e enfrenta crise de imagem com tragédia em Brumadinho. G1, Globo, 3 fev. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/2019/02/03/vale-tem-perda-bilionaria-e-enfrenta-crise-de-imagem-com-tragedia-em-brumadinho.ghtml. Acesso em: 20 jan. 2020.

MILANEZ, B. et al. Buscando Conexões para o Desastre: Poder e Estratégia na Rede Global de Produção da Vale. Internext, Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, v. 14, n. 3, p. 265-285, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.18568/internext.v14i3.561.

MILANEZ, B.; LOSEKANN, C. (org.) Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, 2016.

PATRÍCIO, T. Análise da Imagem Corporativa Empresa: Vale. 2009. Disponível em https://administradores.com.br/producao-academica/analise-da-imagem-cooporativa-empresa-vale. Acesso em: 8 mar. 2020.

PINTO, R. G. Conflitos ambientais, corporações e as políticas do risco. Rio de Janeiro, RJ: Garamond, 2019.

SAMARCO tenta melhorar imagem com comercial e internautas se revoltam. Fórum, Blogs, Segunda Tela, 16 fev. 2016. Disponível em: https://revistaforum.com.br/blogs/segundatela/samarco-tenta-melhorar-imagem-com-comercial-e-internautas-se-revoltam/. Acesso em: 15 jan. 2020.

SCOTTO, G. O novo espírito da mineração: o "desenvolvimento sustentável e a mineração responsável" como prática discursiva e modelo para a ação empresarial: O caso das empresas mineradoras em São João da Barra, RJ. Relatório Final (Projeto APQ1) – FAPERJ, Rio de Janeiro, ago. 2013.

SCOTTO, G. Discursos globais e produção social do local: o desenvolvimento sustentável e a mineração responsável como prática discursiva e modelo para a ação empresarial. In: LOPES, J. R. et al. (org.). Políticas culturais e ambientais no Brasil: da normatividade às agências coletivas. Porto Alegre: CirKula, 2016. p. 125-146.

SCOTTO, G. Sobre mineração, sustentabilidade e alquimia: algumas reflexões sobre os paradoxos da mineração sustentável. Petróleo, royalties e região, Ano XV, n. 58, 2017.

SCOTTO, G. Narrativas contemporâneas na propaganda corporativa das empresas mineradoras transnacionais: elementos para a análise do ´espírito´ da mineração. Cuadernos del Instituto Nacional de An-tropología y Pensamiento Latinoamericano, v. 27, p. 37-54, 2018.

SONTAG, S. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. Edição Kindle.

VALE vence o Public Eye Awards, prêmio de pior empresa do mundo. Justiça Global, Rio de Janeiro, 2012. Disponível em: http://www.global.org.br/blog/vale-vence-o-public-eye-awards-premio-de-pior-empresa-do-mundo/. Acesso em: 16 fev. 2020.

VALE da lama: relatório de inspeção em Mariana após o rompimento da barragem de rejeitos do Fundão. Justiça Global, Rio de Janeiro, jan. 2016. Disponível em: http://www.global.org.br/wp-content/uploads/2016/03/Vale-de-Lama-Justi--a-Global.pdf. Acesso em 28 fev. 2021.

VANCE, P. S.; ANGELO, C. F. Reputação Corporativa: uma revisão teórica. Revista de Gestão, v. 14, n. 4, p. 93-108, 2007. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/27613/reputacao-corporativa--uma-revisao-teorica. Acesso em 15 jan.2020.

WANDERLEY, L. et al. Avaliação dos antecedentes econômicos, sociais e institucionais do rompimento da barragem de rejeito da Samarco/Vale/BHP em Mariana (MG). In: MILANEZ, B.; LOSEKANN, C. (org.) Desastre no Vale do Rio Doce: antecedentes, impactos e ações sobre a destruição. Rio de Janeiro: Folio Digital, Letra e Imagem, 2016.

ZONTA, M.; TROCATE, C. (org.). Antes fosse mais leve a carga: reflexões sobre o desastre da Samarco/Vale/BHP Billiton. Marabá, PA: Editoral iGuana, 2016.

Publicado

30-04-2021

Edição

Seção

Dossiê Temático: "Riscos e Desastres Socioambientais"

Como Citar

SCOTTO, Maria Gabriela. Verde que vira marrom, reputação que vira lama: extrativismo mineral, desastres e as imagens do “invisível”. Revista Vértices, [S. l.], v. 23, n. 1, p. 213–233, 2021. DOI: 10.19180/1809-2667.v23n12021p213-233. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/15893.. Acesso em: 21 jun. 2024.