Luis Antônio Verney e as reformas culturais portuguesas: uma questão pedagógica

Autores

  • Claudia Cristina Azeredo Atallah Faculdade Machado de Assis

DOI:

https://doi.org/10.5935/1809-2667.20060004

Palavras-chave:

Reformas, Iluminismo, Portugal

Resumo

O processo político e cultural que se observou durante o século XVIII adquiriu características específicas, sendo impossível uma análise generalizadora. Em Portugal, as reformas que se processaram a partir do ministério pombalino vieram atender aos anseios centralizadores do marquês. Neste sentido, este artigo analisa a influência que a pedagogia do jesuíta Luís Antônio Verney exerceu neste período, em Portugal, bem como as dimensões assumidas no ambiente intelectual e tradicional da Companhia de Jesus, do qual Verney se afastaria para desenvolver suas teorias acerca do ensino.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Claudia Cristina Azeredo Atallah, Faculdade Machado de Assis
    Mestre em História Política /UERJ. Professora assistente da Faculdade Machado de Assis, na cidade do Rio de Janeiro.

Referências

BOBBIO, Norberto. Thomas Hobbes. Rio de Janeiro: Campos, 1991.

BRAGA, Teófilo. História da Universidade de Coimbra nas suas relações com a instituição pública portuguesa. V. III (1700-1800). Lisboa: Academia Real das Ciências, 1898.

CARDOSO, Luis Miguel de B. Luís Antônio Verney e o Verdadeiro Método de Estudar: um pensamento inovador entre Portugal e Europa. Portugal: Escola Superior de Educação de Viseu Disponível em: www.ipv.pt/millenium/miguel11.htm. Acesso em: 29 jan. 2007.

COSTA, F. M. da.; DOMINGUES, F. C.; MONTEIRO, N. G. (Orgs.). Do Antigo Regime ao Liberalismo: 1750-1850. Documenta Histórica. Lisboa: Veja, s.d.

DARNTON, R. O Iluminismo como negócio: história da publicação da enciclopédia (1775-1800). São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

FALCON, F. J. C. A época pombalina: política econômica e monarquia ilustrada. São Paulo: Ática, 1992.

FURET, François. Antigo Regime. In:FURET, François; OZOUF, Mona (Orgs.). Dicionário Crítico da Revolução Francesa. São Paulo: Nova Fronteira, 1989.

HESPANHA, A. M. Às vésperas do Leviathan. Lisboa: Livraria Almedina, 1994.

HESPANHA, A. M. Panorama histórico da cultura jurídica européia. Fórum da História. Sintra, Lisboa: Publicações Europa-América, 1998.

KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: Que é “Esclarecimento”? (“Aufklãrung”). In: KANT, Immanuel. Textos seletos. Petrópolis, RJ: Vozes: Bilingüe, 1985.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e Crise. Rio de Janeiro: Contraponto: UERJ, 1999.

LAURENT, Pierre. Pufendorf et la Loi Naturelle. Paris: Viur, 1982.

MAXWELL, Kenneth. Marquês de Pombal: paradoxo do iluminismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

ROMEIRO, A. Um visionário na corte de D. João V: revolta e milenarismo nas Minas Gerais. Humanitas. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

SKINNER, Quentin. As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Cia. das Letras, 1996.

SERRÃO, Joel (Org.). Dicionário de História de Portugal. Lisboa: Iniciativas Editoriais, 1963.

VAINFAS, Ronaldo (Org.). Dicionário do Brasil colonial (1500-1808). Rio de Janeiro: Objetiva, 2000.

VERNEY, Luis A. Verdadeiro Método de Estudar. Edição organizada por Antônio Salgado Junior Lisboa: Lisboa, 1949.

Downloads

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

ATALLAH, Claudia Cristina Azeredo. Luis Antônio Verney e as reformas culturais portuguesas: uma questão pedagógica. Revista Vértices, [S. l.], v. 8, n. 1/3, p. 55–66, 2010. DOI: 10.5935/1809-2667.20060004. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/1809-2667.20060004.. Acesso em: 16 jul. 2024.