A mulher, a mulher negra e o tempo dos homens: uma breve reflexão interseccional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v25n32023.19298

Palavras-chave:

gênero, raça, machismo, misoginia, interseccionalidade

Resumo

No Brasil colônia o pensamento que vigorava era o de que as mulheres eram criaturas más e com tendências demoníacas e, por isso mesmo, deveriam ser controladas pelos homens da família e do Clero. Com a modernidade o patriarcado foi institucionalizado e, a partir de então, além dos homens da família e da Igreja, as mulheres também deviam obrigações sobre si, suas vidas e corpos ao Estado. Ainda que a condição de inferioridade atingisse a todas as mulheres, às mulheres negras eram submetidas às avaliações e às condições de vida ainda mais degradantes, pois aos preconceitos de gênero somavam-se, e ainda se somam, os de raça. Indo ao encontro dessa percepção, os dados da Pnad contínua de 2021 demonstram que os piores indicadores socioeconômicos são aqueles que dizem respeito às mulheres negras. Diante de tais indicadores, o presente artigo propõe uma breve reflexão sobre as possíveis conexões de tais elementos com a conformação das desigualdades contemporâneas extremas que incidem sobre as mulheres e, mesmo entre elas, de modo desigual a depender de sua condição socioeconômica e da raça. Há urgência do desenho e implementação de políticas públicas que contemplem não somente as questões relativas ao gênero, como também a interseccionalidade com a raça.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Andrea Rosa Bello
    Historiadora com pós-graduação e mestrado em Administração Pública (EBAPE/FGV). Doutora em Políticas Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF) - Niterói/RJ - Brasil. E-mail: belloar@gmail.com.

Referências

ALENCASTRO, L. F. África, números do tráfico atlântico. In: SCHWARCZ, L.; GOMES, F. (org.). Dicionário da Escravidão e da Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019. p. 57-70.

ARAUJO, E. A arte da sedução: sexualidade feminina na Colônia. In: DEL PRIORE, M. (org.); BASSANEZ, C. (coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 10. ed., 8. reimp. São Paulo: Contexto, 2022.

BASSO, P. Razze schiave e razze signore: vecchi e nuovi razzismi. Milano: Franco Angeli, 2000.

BÍBLIA King James. Disponível em: https://bkjfiel.com.br/. Acesso em: 18 dez. 2023.

CÉSAIRE, A. Discurso sobre o colonialismo. Tradução de Cláudio Willer. São Paulo: Veneta, 2020.

COTTA, M; FARAGE, T. Mulher, roupa, trabalho: como se veste a desigualdade de gênero. 1. ed. São Paulo: Paralela, 2021.

CRENSHAW, K. W. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1/2002, p. 171-188, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/. Acesso em: 18 dez. 2023.

DEL PRIORE, M. Magia e medicina na colônia: o corpo feminino. In: DEL PRIORE, M. (org.); BASSANEZ, C. (coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 10. ed., 8. reimp. São Paulo: Contexto, 2022.

DUSSEL, H. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, set. 2005. (Colección Sur Sur). Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf. Acesso em: 2 abr. 2022.

FALCI, M. B. K.; MELO, H. P. Riqueza e emancipação: Eufrásia Teixeira Leite, uma análise de gênero. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, p. 165-185, 2002. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/reh/article/view/2158/. Acesso em: 23 nov. 2023.

FEIJÓ, J. Diferenças de gênero no mercado de trabalho: a desigualdade de gênero ainda persiste no mercado de trabalho, com mulheres ganhando menos que os homens e com baixa representação em cargos de gerência. FGVE/IBRE, 8 mar. 2023. Disponível em: https://portal.fgv.br/artigos/diferencas-genero-mercado-trabalho. Acesso em: 12 mar. 2023.

FEIJÓ, J. A mulher negra no mercado de trabalho. FGV/IBRE, 26 jul. 2021. Disponível em: https://blogdoibre.fgv.br/posts/mulher-negra-no-mercado-de-trabalho. Acesso em: 12 mar. 2023.

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, p. 223-244, 1984. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5509709/mod_resource/content/0/06%20-%20GONZALES%2C%20L%C3%A9lia%20-%20Racismo_e_Sexismo_na_Cultura_Brasileira%20%281%29.pdf. Acesso em: 23 nov. 2023.

HOOKS, B. Olhares negros: raça e representação. Tradução Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2021.

LARAIA, R. B. Jardim do Éden revisitado. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 149-164, 1997. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-77011997000100005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ra/a/9FRBVGL7H6hmpyMHwL7C9hQ/?lang=pt#. Acesso em: 18 dez. 2023.

MACHADO, C; PINHO NETO, V. The labor market consequences of maternity leave policies: Evidence from Brazil. Getúlio Vargas Foundation (EPGE-FGV), dez. 2016. Disponível em: https://hdl.handle.net/10438/17859. Acesso em: 18 dez. 2023.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. 3. ed. São Paulo: N – 1 edições, 2018.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, set. 2005. (Colección Sur Sur). Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2591382/mod_resource/content/1/colonialidade_do_saber_eurocentrismo_ciencias_sociais.pdf. Acesso em: 12 mar. 2023.

SALADINO, A.; BARATA, C. E.; FIGUERÊDO, N. Longe das vistas: o Recolhimento de Santa Teresa na Freguesia de São Sebastião de Itaipu. Caderno SocioAmbiental, Niterói, RJ: Museu de Arqueologia de Itaipu/Ibram/MinC, v. 1, n. 1, p. 43-52, 2013. Disponível em: https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2013/08/07.08-caderno-itaipu.pdf. Acesso em: 23 nov. 2023.

SANTOS, G. S. A vida nos conventos portugueses durante a Época Moderna. Caderno SocioAmbiental, Niterói, RJ: Museu de Arqueologia de Itaipu/Ibram/MinC, v. 1, n. 1, p. 29-42, 2013. Disponível em: https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2013/08/07.08-caderno-itaipu.pdf. Acesso em: 23 nov. 2023.

SANTOS, R. V.; MAIO, M. C. Qual "retrato do Brasil"? Raça, biologia, identidades e política na era da genômica. Mana, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 61-95, abr. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-93132004000100003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/mana/a/Q9whbMQmn8FnKQdSh7sjFSn/. Acesso em: 18 dez. 2023.

SILVA, G. "O brasileiro será uma fonte de descobertas para toda a humanidade", diz líder do projeto DNA do Brasil. GZH, 5 nov. 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/comportamento/noticia/2020/11/o-brasileiro-sera-uma-fonte-de-descobertas-para-toda-a-humanidade-diz-lider-do-projeto-dna-do-brasil-ckh500s5w000j0170nkmperq1.html. Acesso em: 31 out. 2021.

SILVA, M. B. N. Mulheres brancas no fim do período colonial. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 4, p. 75-96, 2008. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1763. Acesso em: 24 nov. 2023.

SODRÉ, M. O fascismo da cor: Uma radiografia do racismo nacional. 1. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2023.

VILLEN, P. Amílcar Cabral e a crítica ao colonialismo: entre a harmonia e a contradição. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

XAVIER, A. A. O. DNA dos brasileiros carrega marcas da colonização. ComCiência, 2020. Disponível em: https://www.comciencia.br/dna-dos-brasileiros-carrega-marcas-da-colonizacao. Acesso em: 31 out. 2021.

XAVIER, G. Entre personagens, tipologias e rótulos da “diferença”: a mulher escrava na ficção do Rio de Janeiro no século XIX. In: XAVIER, G; FARIAS, J. B; GOMES, F. (org.). Mulheres Negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012. p. 67-83.

Publicado

22-12-2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

A mulher, a mulher negra e o tempo dos homens: uma breve reflexão interseccional. Revista Vértices, [S. l.], v. 25, n. 3, p. e25319298, 2023. DOI: 10.19180/1809-2667.v25n32023.19298. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/19298.. Acesso em: 14 abr. 2024.