O crescimento da geração distribuída no contexto da crise hidroenergética na região Sudeste do Brasil: aspectos ambientais e socioeconômicos

Autores

  • Luiz Fernando Rosa Mendes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) Campus Campos-Guarus, Campos dos Goytacazes/RJ
  • Marcelo Silva Sthel Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
  • Marcenilda Amorim Lima Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v22n32020p626-647

Palavras-chave:

FRE, Diversificação, Matriz elétrica, Energia fotovoltaica

Resumo

Diante da crise hidroenergética na região Sudeste (SE) do Brasil, ocorrida entre 2012-2015, o objetivo deste trabalho é analisar como os consumidores da região supracitada foram conduzidos a implantar sistemas de Geração Distribuída (GD) nesse período. Para isso, realizou-se uma pesquisa exploratória de dados referentes ao nível dos reservatórios do subsistema Sudeste/Centro-Oeste, ao consumo e ao custo de eletricidade da região e à evolução da GD. Esta pesquisa possibilitou notar que a crise hídrica ampliou a necessidade do uso das usinas térmicas e, consequentemente, aumentou as emissões dos gases do efeito estufa (GEE) e fez com que o custo da energia elétrica fosse elevado, principalmente, para os consumidores das classes residencial e comercial do SE. Assim, como forma de reduzir os custos com eletricidade, os consumidores investiram em fontes renováveis de energia (FRE). Dentre elas, a energia solar fotovoltaica (ESFV) foi a fonte de energia mais utilizada por todas as classes de consumidores, principalmente, a residencial e a comercial, em toda a região SE.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Luiz Fernando Rosa Mendes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IFFluminense) Campus Campos-Guarus, Campos dos Goytacazes/RJ
    Doutor em Ciências Naturais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). Pesquisador do Grupo de Pesquisas Aplicadas em Energia Fotovoltaica (GPAFv) e Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense Campus Campos Guarus – Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: lfmendes@iff.edu.br
  • Marcelo Silva Sthel, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
    Doutor em Física na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor do Laboratório de Ciências Físicas da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) – Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: sthel@uenf.br.
  • Marcenilda Amorim Lima, Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF), Campos dos Goytacazes/RJ
    Doutorado em Ciências Naturais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) – Campos dos Goytacazes/RJ – Brasil. E-mail: marcenilda_stm@yahoo.com.br

Referências

ALLAN, G. et al. The economics of distributed energy generation: a literature review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 42, p. 543–556, Feb. 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2014.07.064. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032114005164?via%3Dihub. Acesso em: 20 dez. 2015.

AMARAL, A. B. A. et al. Solar Energy and Distributed Generation: 2015, a Year of Inflection in Brazil? IEEE Latin America Transactions, v. 14, n. 8, p. 3731-3737, Aug. 2016. DOI: https:// 10.1109/TLA.2016.7786357. Disponível em: https://ieeexplore.ieee.org/document/7786357. Acesso em: 10 abr. 2017.

ANDRADE GUERRA et al. Future scenarios and trends in energy generation in Brazil: supply and demand and mitigation forecasts. Journal of Cleaner Production, v. 103, p. 197-210, 15 Sept. 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2014.09.082. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S095965261401021X?via%3Dihub. Acesso em: 18 out. 2015.

BALFOUR, J.; SHAW, M.; NASH, N. B. Introdução ao projeto de sistemas fotovoltaicos. Rio de Janeiro: LTC, 2016.

BARBOSA FILHO, F. H. A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, v. 89, n. 31, p. 51-60, jan./abr. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/s0103-40142017.31890006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142017000100051&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 11 jun. 2017.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisas Energéticas. Balanço Energético Nacional 2019, ano base 2018. Disponível: http://www.epe.gov.br. Acesso em: 17 jul. 2019a.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa de Pesquisas Energéticas. Resenha mensal do mercado de energia elétrica. Disponível em: http://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-153/topico-459/Resenha%20Mensal%20-%20Junho%202019_vf.pdf. Acesso em: 18 jul. 2019b.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei 12.783, de 11 de janeiro de 2013. Dispõe sobre as concessões de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, sobre a redução dos encargos setoriais e sobre a modicidade tarifária; altera as Leis 10.438, de 26 de abril de 2002, 12.111, de 9 de dezembro de 2009, 9.648, de 27 de maio de 1998, 9.427, de 26 de dezembro de 1996, e 10.848, de 15 de março de 2004; revoga dispositivo da Lei 8.631, de 4 de março de 1993; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12783.htm. Acesso em: 20 fev. 2018a.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria-Geral. Lei 13.169, de 6 de outubro de 2015. Altera a Lei 7.689, de 15 de dezembro de 1988, para elevar a alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, CSLL em relação às pessoas jurídicas de seguros privados e de capitalização, e às referidas nos incisos I a VII, IX e X do § 1º do Art. 1º da Lei Complementar 105, de 10 de janeiro de 2001; altera as Leis 9.808, de 20 de julho de 1999, 8.402, de 8 de janeiro de 1992, 10.637, de 30 de dezembro de 2002, 10.833, de 29 de dezembro de 2003, 11.033, de 21 de dezembro de 2004, 12.715, de 17 de setembro de 2012, 9.249, de 26 de dezembro de 1995, 11.484, de 31 de maio de 2007, 12.973, de 13 de maio de 2014, 10.150, de 21 de dezembro de 2000, e 10.865, de 30 de abril de 2004; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13169.htm. Acesso em: 20 fev. 2018b.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Agência Nacional de Energia Elétrica. Programa de Incentivo às Fontes Alternativas. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/proinfa. Acesso em: 17 jun. 2018a.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Agência Nacional de Energia Elétrica. Relatórios de Consumo e Receita de Distribuição. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/relatorios-de-consumo-e-receita. Acesso em: 17 jun. 2018b.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Agência Nacional de Energia Elétrica. Geração distribuída. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/scg/gd/GD_Estadual.asp. Acesso em: 17 jun. 2018c.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa Pesquisas Energéticas. Leilões. Disponível em: http://www.epe.gov.br/pt/leiloes-de-energia/leiloes. Acesso em: 18 jun. 2018c.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Empresa Pesquisas Energéticas. Resenha: consumo de eletricidade aumentou 3,8% em maio. Disponível em: http://www.epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-153/topico-159/Resenha%20Mensal%20do%20Mercado%20de%20Energia%20El%C3%A9trica%20-%20Maio%202012.pdf#search=consumo%20de%20energia%202012. Acesso em: 18 jun. 2018d.

BRASIL. Empresa Brasil de Comunicação. Crescimento de renda aumenta poder de compra do trabalhador. Disponível em: http://www.ebc.com.br/2012/09/crescimento-de-renda-aumenta-poder-de-compra-do-trabalhador. Acesso em: 18 jun. 2018e.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Conselho Nacional Fazendário. Convênio ICMS 16, de 22 de abril de 2015. Autoriza a conceder isenção nas operações internas relativas à circulação de energia elétrica, sujeitas a faturamento sob o Sistema de Compensação de Energia Elétrica de que trata a Resolução Normativa 482, de 2012, da Agência Nacional de Energia Elétrica, ANEEL. Disponível em: https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/convenios/2015/cv016_15. Acesso em: 3 jun. 2016a.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. iNDC (Contribuição Nacionalmente Determinada). http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80108/BRASIL%20iNDC%20portugues%20FINAL.pdf. Acesso em: 11 out. 2016b.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Agência Nacional de Energia Elétrica. Resolução normativa 687, de 24 de novembro de 2015. Altera a Resolução Normativa nº 482, de 17 de abril de 2012, e os Módulos 1 e 3 dos Procedimentos de Distribuição, PRODIST. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2015687.pdf. Acesso em: 3 nov. 2016c.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Brasil lança Programa de Geração Distribuída com destaque para energia solar. Disponível em: http://www.mme.gov.br/web/guest/pagina-inicial/outras-noticas/-/asset_publisher/32hLrOzMKwWb/content/programa-de-geracao-distribuida-preve-movimentar-r-100-bi-em-investimentos-ate-2030. Acesso em: 6 nov. 2016d.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Agência Nacional de Energia Elétrica. Resolução normativa 482, de 17 de abril de 2012. Estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências. Disponível em: http://www2.aneel.gov.br/cedoc/ren2012482.pdf. Acesso em: 4 nov. 2015.

CARLEY, S. Distributed generation: an empirical analysis of primary motivators. Energy Policy, v. 37, n. 5, p. 1648-1659, May 2009. DOI: https://doi:10.1016/j.enpol.2009.01.003. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S030142150900010X. Acesso em: 11 jun. 2017.

DILMA confirma redução na conta de luz e critica “pessimistas”. Globo, G1, 2013. Disponível em: http://g1.globo.com/economia/noticia/2013/01/dilma-confirma-reducao-na-conta-de-luz-e-critica-pessimistas.html. Acesso em: 18 jun. 2018.

ENERGIA solar para todos: preços caem 30% em 2018. Portal Solar, 2018. Disponível em: https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/uncategorized/energia-solar-para-todos-precos-caem-30-em-2018.html. Acesso em: 24 jul. 2019.

ESTUDO PRÁTICO: Região Sudeste do Brasil. Disponível em: https://www.estudopratico.com.br/regiao-sudeste-do-brasil/. Acesso em: 19 jul. 2019.

GEORGESON, L.; MASLIN, M.; POESSINOUW, M. Clean up Energy Innovation. Nature, v. 538, p. 27–29, Oct. 2016. DOI: https://10.1038/538027a. Disponível em: https://www.nature.com/news/clean-up-energy-innovation-1.20718. Acesso em: 18 jun. 2018.

GILS, H. C.; SIMON, S.; SORIA, R. 100% Renewable Energy Supply for Brazil: The Role of Sector Coupling and Regional Development. Energies, v. 10, n. 11, p. 1–22, Nov. 2017. DOI: https://doi.org/10.3390/en10111859. Disponível em: https://www.mdpi.com/1996-1073/10/11/1859. Acesso em: 11 jun. 2017.

GOLDEMBERG, J. O estado atual do setor elétrico brasileiro. Revista USP, n. 104, p. 37-44, mar. 2015. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i104p37-44. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/106751. Acesso em: 11 jun. 2017.

HUNT, J. D.; STILPEN, D.; FREITAS, M. A. V. A review of the causes, impacts and solutions for electricity supply crises in Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 88, p. 208-222, May 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2018.02.030. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032118300613?via%3Dihub. Acesso em: 23 jul. 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatística. In: INSTITUTO NACIONAL DE METEREOLOGIA. Sistema de Contas Nacionais Trimestrais. [Brasília, DF]: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/contas-nacionais/9300-contas-nacionais-trimestrais.html?t=series-historica. Acesso em: 18 jun. 2018.

INM. INSTITUTO NACIONAL DE METEREOLOGIA. Clima: Precipitação total anual. [Brasília, DF], 2019. http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/page&page=desvioChuvaAnual. Acesso em: 19 jul. 2019.

MENDES, L. F. R.; STHEL, M. S. Thermoelectric power plant for compensation of hydrological cycle change: environmental impacts in Brazil. Case Studies in the Environment, v. 1, n. 1, p. 1-7, Dec. 2017. DOI: https://doi.org/10.1525/cse.2017.000471. Disponível em: https://online.ucpress.edu/cse/article/1/1/1/34497/Thermoelectric-Power-Plant-for-Compensation-of. Acesso: 3 jan. 2018.

NREL. NATIONAL RENEWABLE ENERGY LABORATORY. MapResearch: Brazil. Disponível em: http://en.openei.org/w/index.php?title=File:NREL-brazil-glo.pdf. Acesso em: 4 nov. 2016.

ONS. OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA. Resultados da operação: Histórico da operação. [Brasília, DF], 2018. Disponível em: http://www.ons.org.br/paginas/resultados-da-operacao/historico-da-operacao. Acesso em: 17 jun. 2018.

PIRES DO RIO, G. A.; DRUMMOND, H. R.; RIBEIRO, C. R. Água: a urgência de uma agenda territorial. Ambiente & Sociedade, v. 19, n. 4, p. 121-136, dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-4422asoc0075r1v1942016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2016000400121&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 ago. 2020.

PODER de compra do salário mínimo quase dobra em três anos. Revista Fórum, 2018. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/o-salario-minimo-e-o-poder-de-compra-de-fhc-a-dilma-rousseff/. Acesso em: 18 jun. 2018.

PRADO, F. A. et al. 2016. How much is enough? An integrated examination of energy security, economic growth and climate change related to hydropower expansion in Brazil. Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 53, p. 1132-1136, Jan. 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2015.09.050. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032115010205?via%3Dihub. Acesso em: 3 mar. 2016.

REIS, L. B. Geração de energia elétrica. 2. ed. Barueri: Manole, 2011.

SILVA, N. F. et al. Wind Energy in Brazil: From the Power Sector’s Expansion Crisis Model to the Favorable Environment. Renewable and Sustainable Energy Review, v. 88, p. 208-222, Jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/j.rser.2012.12.054. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1364032113000105?via%3Dihub. Acesso em: 18 mar. 2018.

SISTEMA DE ESTIMATIVA DE EMISSÃO DE GASES BRASIL. Emissões por setor: energia. Disponível em: http://plataforma.seeg.eco.br/total_emission. Acesso em: 2 ago. 2019.

TARGA, M. S.; BATISTA, G. T. Benefits and legacy of the water crisis in Brazil. Revista Ambiente & Água [on-line], v. 10, n. 2, p. 234-239, 2015. DOI: https://doi.org/10.4136/ambi-agua.1629. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1980-993X2015000200234&lng=en&nrm=iso&tlng=en. Acesso em: 3 mar. 2018.

TEIXEIRA, F. N. et al. In: LORA, E. E. S.; HADDAD, J. (coord.). Geração distribuída: aspectos tecnológicos, ambientais e institucionais. Rio de Janeiro: Interciência, 2006. p. 1-27.

VAZQUEZ, M.; HALLACK, M. The Role of Regulatory Learning in Energy Transition: The Case of Solar PV in Brazil. Energy Policy, v. 114, p. 465-481, Mar. 2018. DOI: https://doi.org/10.1016/j.enpol.2017.11.066. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0301421517308121?via%3Dihub. Acesso em: 16 abr. 2018.

VILLALVA, M. G. Energia solar fotovoltaica: conceitos e aplicações. 2. ed. São Paulo: Érica, 2015.

Publicado

25-11-2020

Edição

Seção

Artigos de revisão

Como Citar

MENDES, Luiz Fernando Rosa; STHEL, Marcelo Silva; LIMA, Marcenilda Amorim. O crescimento da geração distribuída no contexto da crise hidroenergética na região Sudeste do Brasil: aspectos ambientais e socioeconômicos. Revista Vértices, [S. l.], v. 22, n. 3, p. 626–647, 2020. DOI: 10.19180/1809-2667.v22n32020p626-647. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/15482.. Acesso em: 19 jul. 2024.