Cotas Raciais: caminhos abertos entre o “facão” e o “bisturi”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/1809-2667.v25n12023.17159

Palavras-chave:

cotas raciais, política pública, Brasil

Resumo

No início dos anos 2000, os debates e embates sobre a adoção de ações afirmativas, especialmente via reserva de vagas para a população negra, as chamadas cotas raciais, tensionavam o cenário acadêmico. Neste artigo recorro à memória da minha trajetória acadêmica de estudante à professora universitária durante o processo de discussão e implementação das cotas raciais no Brasil para evidenciar fatos e debates sobre o tema em foco. No período compreendido entre 2000-2012, vou nomeá-lo como o caminho aberto “a facão” em prol das cotas raciais, no qual o acirramento e polarização contrários à discussão se fizeram sentir, bem como o enfrentamento ao contexto adverso. A partir de 2012 até o momento presente, vou nomeá-lo como o momento do “bisturi” em que a política de ações afirmativas possui amparo legal e efetividade na sociedade brasileira, mas ainda é combatida por seus detratores.  

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Vera Rodrigues, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Redenção/CE
    Doutora em Antropologia Social (2012) pela Universidade de São Paulo (USP). Professora associada no Instituto de Humanidades da UNILAB- Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira. Professora efetiva no Programa Associado de Pós-Graduação em Antropologia UFC-UNILAB - Brasil. E-mail: vera.rodrigues@unilab.edu.br.

Referências

ABPN. Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as. Sistematização de argumentos sobre a Lei de Cotas. São Paulo, 2022.

ADUR. Íntegra do Manifesto de Cotas e quem assinou. In: ADUR. Cidadãos anti-racistas contra as leis raciais. 2008. Disponível em: http://www.adur-rj.org.br/5com/pop-up/integra_manifesto_contra_cotas.htm. Acesso em: 7 jul. 2022.

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

AZEVEDO, C. M. M. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites do século XIX. São Paulo: Annablume, 2004.

BRASIL. Lei no 10.639, de 9 janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 140, n. 8, p. 1, 10 jan. 2003. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=10/01/2003. Acesso em: 2 maio 2023.

BRASIL. Lei no 12.289, de 20 de julho de 2010. Dispõe sobre a criação da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 138, p. 4-5, 21 jul. 2010. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=4&data=21/07/2010. Acesso em: 2 maio 2023.

BRASIL. Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 149, n. 169, p. 1-2, 30 ago. 2012. Disponível em: https://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=1&data=30/08/2012. Acesso em: 2 maio 2023.

EVARISTO, C. Tempo de nos aquilombar. 2021. Disponível em: http://culturadorn.blogspot.com/2021/07/tempo-de-nos-aquilombar-conceicao.html. Acesso em: 2022.

FERREIRA, A. J. S. (RE) Afirmando direitos: Uma etnografia da luta quilombola por acesso e permanência no ensino superior cearense: Caso Unilab. 2021. 202 f. Dissertação (Mestrado) - Programa associado de pós-graduação em Antropologia - Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira, Redenção, CE, 2021. Disponível em: https://repositorio.unilab.edu.br/jspui/handle/123456789/2968. Acesso em: 2 maio 2023.

FRANCO, M. A emergência da vida para superar o anestesiamento social frente à retirada de direitos: o momento pós-golpe pelo olhar de uma feminista negra e favelada. In: BUENO, W. et al. (org.). Tem Saída? Ensaios críticos sobre o Brasil. Porto Alegre: Zouk, 2017. p. 89-96.

FREYRE, G. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. São Paulo: Global, 2003.

GALA, I. V. Política Externa como Ação Afirmativa: projeto e ação do governo Lula na África 2003/2006. Santo André: EduFABC, 2019. DOI: https://doi.org/10.7476/9786589992301. Disponível em: https://books.scielo.org/id/fdc6z. Acesso em: 2 maio 2023.

GOMES, N. L. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GOMES, N. L.; LIMA, A. R. P.; SANTOS, T. A. M. Unilab-Universidade da Integração internacional da Lusofonia Afro-brasileira: o desafio de uma experiência acadêmica na perspectiva da cooperação sul-sul. Revista Novos Olhares Sociais, Dossiê África-Brasil, v. 1, n. 1, p. 93-110, 2018. Disponível em: https://www3.ufrb.edu.br/ojs/index.php/novosolharessociais/article/view/416. Acesso em: 28 abr. 2022.

LULA. Leia o discurso de Lula ao lançar o movimento ‘Vamos Juntos pelo Brasil’. [São Paulo], 7 maio 2022. Disponível em: https://pt.org.br/leia-o-discurso-de-lula-ao-lancar-o-movimento-vamos-juntos-pelo-brasil/. Acesso em: 11 ago. 2022.

MANIFESTO 113 Cidadãos Anti-Racistas Contra as Leis Raciais. Folha de São Paulo, São Paulo, 14 maio 2008a. Cotidiano. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1405200807.htm. Acesso em: 26 abr. 2022.

MANIFESTO em favor da lei de cotas e do estatuto da igualdade racial. Questão racial. Portal Geledés, Brasília, set. 2008b. Disponível em: https://www.geledes.org.br/confira-a-integra-do-manifesto-a-favor-das-cotas/. Acesso em: 26 abr. 2022.

MOORE, C. A África que incomoda: sobre a problematização do legado africano no quotidiano brasileiro. Belo Horizonte: Nandyala, 2010.

MUNANGA, K. Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa das cotas. Revista Sociedade e Cultura, v. 4, n. 2, p. 31-43, jul./dez. 2001. DOI: https://doi.org/10.5216/sec.v4i2.515. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fcs//article/view/515. Acesso em: 2 maio 2023.

O QUE são ações afirmativas. Rio de Janeiro: GEMAA. Grupo de Estudos Multidisciplinares de Ação Afirmativa, 2022. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/o-que-sao-acoes-afirmativas/. Acesso em: 25 abr. 2022.

REIS, V. Decidimos interromper a hegemonia branca na política. [Entrevista concedida a] Igor Carvalho e José Eduardo Bernardes. Brasil de Fato, São Paulo, 14 dez. 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/12/14/vilma-reis-decidimos-interromper-a-hegemonia-branca-na-politica. Acesso em: 10 ago. 2022.

RIBEIRO, M. O Caminho é a luta. Não tem outro. [Entrevista cedida à Defensoria Pública do Estado do Ceará]. 2022. Disponível em: https://campanha.defensoria.ce.def.br/todas-somos-uma/matilde/. Acesso em: 20 fev. 2023.

RODRIGUES, V. "Do facão ao bisturi": entrevista com a antropóloga Vera Rodrigues. [Entrevista cedida a] Marcus Vinícius Martins da Silva; Flávia Luiza da Silva; Pollianna Aparecida Alessio; Ana Luiza de Bem Silva. Novos Debates, v. 7, n. 2, E7220, 2021a. DOI: https://doi.org/10.48006/2358-0097-7220. Disponível em: http://novosdebates.abant.org.br/v7-n2/. Acesso em: 2 maio 2023.

RODRIGUES, V. Vidas Negras Importam: o que dizemos nós mulheres negras ativistas, intelectuais e artistas. Tessituras: Revista de Antropologia e Arqueologia, Pelotas, RS, v. 9, n. 1, jan./jun. 2021b. Disponível em: https://revistas.ufpel.edu.br/index.php/tessituras/article/view/1090. Acesso em: 2 maio 2023.

UNILAB. Universidade da Integração da Lusofonia Afro-brasileira. Resolução CONSUNI/UNILAB nº 40, de 20 de agosto de 2021. Programa de Ações Afirmativas da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). 2021. Disponível em: https://unilab.edu.br/wp-content/uploads/2021/08/Acoes-afirmativas1.pdf. Acesso em: 11 ago. 2022.

VALE, A. F. C., CUNHA, T. H. A., RODRIGUES, V. Antropologia no Ceará: algumas notas sobre o porvir e o vigor de ter sido. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 50, n. 1, p. 253-274, mar./jun. 2019. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revcienso/article/view/40373. Acesso em: 24 fev. 2023.

VENTURINI, A. C. Ações Afirmativas nos Programas de Pós-Graduação Acadêmicos de Universidades Públicas (jan./2002 a jan./2018). In: FERES JÚNIOR, J.; CAMPOS, L. A. (coord.). Levantamento das políticas de ação afirmativa GEMAA. Rio de Janeiro: IESP-UERJ, 2019. p. 1-31. Disponível em: https://gemaa.iesp.uerj.br/wp-content/uploads/2019/08/AA-na-Pos-versao-final.pdf. Acesso em: 5 maio 2022.

Publicado

03-05-2023

Edição

Seção

Artigos Originais

Como Citar

SILVA, Vera Regina Rodrigues da. Cotas Raciais: caminhos abertos entre o “facão” e o “bisturi”. Revista Vértices, [S. l.], v. 25, n. 1, p. e25117159, 2023. DOI: 10.19180/1809-2667.v25n12023.17159. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/vertices/article/view/17159.. Acesso em: 19 jul. 2024.