Saneamento básico em Itaboraí: Não universalização da água potável e seus riscos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19180/2177-4560.v17n22023p87-95

Palavras-chave:

Água potável, Acesso à água, Saúde Pública

Resumo

O presente resumo tem o fito de conscientizar toda a sociedade, em especial, a população de Itaboraí, realizando um levantamento estatístico, jurídico e legislativo, com o objetivo de criar um questionamento para os habitantes da referida cidade, para os sérios problemas que decorrem da falta de administração do Poder Público, para com os recursos hídricos, ocasionando, assim, uma série de problemas sociais, ambientais e saúde. Para isto, foi realizado investigações acerca dos dados disponibilizados pelo Governo Federal, dentre eles o “Atlas Água e Esgoto” – criado com a participação da Agência Nacional de Águas (ANA), o qual constatou que cerca de 73,3% da população de Itaboraí não possui acesso à água potável, sendo certo que o sítio eletrônico “DATASUS/2020”, contabilizou apenas 18 internações e 01 óbito por doenças transmitidas através da água, ora, os dados apresentados elucidam que a pesquisa quantitativa realizada pelo Governo Federal demonstram incongruências, tendo em vista que o percentual que indica a parcela de habitantes sem acesso à água é muito superior ao número de internados por doenças hídricas

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Antônio Souza, Instituto Federal Fluminense
    Instituto Federal Fluminense
  • Vicente de Paulo Santos de Oliveira, Instituto Federal Fluminense
    Doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa. Professor Titular do Instituto Federal Fluminense, Brasil.
  • Neyse de Carvalho Ribeiro, Instituto Federal Fluminense
    Especialização em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo S B I. Técnica em Assuntos Educacionais do Instituto Federal Fluminense, Brasil
  • Vitória Souza, Instituto Federal Fluminense
    Instituto Federal Fluminense

Referências

BRASIL. Lei nº 9.433, de 08 de janeiro de 1997. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 470, 09 de janeiro de 1997. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.htm.

BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Diretriz para atuação em situações de surtos de doenças e agravos de veiculação hídrica. Brasília, DF, 2018.

UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Relatório mundial das Nações Unidas sobre desenvolvimento dos recursos hídricos 2018: soluções baseadas na natureza para a gestão da água. Paris, 2018.

EDSON GUIMARÃES, SciELO: Na contramão dos objetivos do desenvolvimento sustentável: avaliação da pobreza hídrica na região estuarina do Rio Macaé. Saúde e Sociedade – Portal de Revistas da USP, Rio de Janeiro, Brasil, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902020190070

ROBERTO NAIME, Má gestão de água e desperdício de recursos hídricos. EcoDebate, 2023. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2016/04/22/ma-gestao-de-agua-e-desperdicio-de-recursos-hidricos-artigo-de-roberto-naime/.

GUEDES ANDERSON; TAVARES LARYSSA; MARQUES MARIA; MOURA SAMUE; SOUZA MILENA, Tratamento da água na prevenção de doenças de veiculação hídrica. Journal of Medicine and Health Promotion:, [S.L.], 2017.

PAINEL SANEMANETO BRASIL – ITABORAÍ. Painel Saneamento Brasil. Disponível em: https://www.painelsaneamento.org.br/localidade?id=330190. Acesso em: 25 de janeiro de 2023.

RH V - COMITÊ DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DA BAÍA DE GUANABARA E DOS SISTEMAS LAGUNARES DE MARICÁ E JACAREPAGUÁ. INEA – Instituto estadual do ambiente. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/ar-agua-e-solo/os-comites/. Acesso em: 18 de janeiro de 2023.

SUBCOMITÊ DE JACAREPAGUÁ. CBH Baía de Guanabara. Disponível em: CBH Baia de Guanabara (comitebaiadeguanabara.org.br). Acesso em: 21 de dezembro de 2022.

ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO MACACU. INEA – Instituto Estadual do Ambiente. Disponível em: http://www.inea.rj.gov.br/biodiversidade-territorio/conheca-as-unidades-de-conservacao/apa-da-bacia-do-rio-macacu/. Acesso em: 18 de janeiro de 2023.

Downloads

Publicado

31-12-2023

Como Citar

Saneamento básico em Itaboraí: Não universalização da água potável e seus riscos. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 87–95, 2023. DOI: 10.19180/2177-4560.v17n22023p87-95. Disponível em: https://editoraessentia.iff.edu.br/index.php/boletim/article/view/19117.. Acesso em: 22 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)